Dona do Coração e a Imagem Oculta

Dona do Coração: o nome não  podia ser melhor. Mas o que ficará para sempre – como um sinal e uma lição – é a Imagem Oculta. Hipódromo do Cristal, primeira reunião da temporada e último páreo do programa. Éguas de 4 anos s/ mais de uma vitória, 5 anos s/mais de duas vitórias e 6 anos s/mais de três vitória. 

 Não  é de hoje que sou apaixonada por esportes e sua incrível contribuição  para construir um mundo melhor através  da disciplina, treinamento e eterna busca da superação…com muito suor, sangue e, é  claro, coração! Assim, foi inevitável que eu me apaixonasse também pelos cavalos…  Como moro perto do Hipódromo, todos os dias que saio de casa – muitas vezes antes de clarear – para me dedicar ao ciclismo ou natação – dou uma espiada e lá embaixo vejo aquelas “formiguinhas” já determinadas,  treinando na raia, faça chuva ou faça  sol. E estou falando de “formiguinhas” que pesam cerca de meia tonelada e mesmo assim muitas vezes ultrapassam 60km/h, enquanto eu, nos meus “míseros” XX quilos, sou no máximo uma lesma diante deles…somado a eles – formando um conjunto – como ouvi certa vez – de quatro patas e dois corações está o jóquei. O jóquei é  um ser pequenino de raciocinio rápido, alma enorme e imensamente corajosa que dá cor e ainda mais vida as corridas de cavalo. 

Mas, voltemos ao Hipódromo….último páreo de uma dia de inverno ensolarado com pequenas grandes vitórias…

Eram  “apenas” 1000 metros em areia macia. Quando a turma fez a curva na pista e entrou na reta final começou a gritaria e todos ao meu redor vibravam pois quem estava na liderança era a égua de um criador que estava ali. Me somei ao grupo e comecei a vibrar, empolgada, torcendo…e não é que ela ganhou? Vitória para a Dona do Coração! Mas e a Imagem Oculta?

 Sempre buscando compartilhar a expressão da vitória eu acompanhei o pelotão depois que cruzaram o disco – onde a câmera não  vai – e testemunhei o instante exato que uma das éguas caiu no chão  – do nada – como se numa fração de segundo sua bateria tivesse acabado completamente. Nas frações  de segundo seguintes – e no turfe cada décimo  de segundo  é  uma eternidade e vale muito – vi aquele pequeno se desvencilhando da égua e indo para o outro lado da cerca. O joquei está  vivo e bem – pensei – graças  a Deus. Cheguei a dizer que meu coração  não está pronto para esta faceta – inevitável – das corridas de cavalo. Eu não queria olhar. Mas não  tinha como não olhar. Eu precisava olhar. Eu precisava, mas não  queria acreditar. Então  eu olhei. A égua estava lá, alguns metros depois do disco, imóvel, como se fosse uma pedra, plantada na areia da pista. Eu continuava não querendo olhar mas sem conseguir parar de olhar…e a esta altura, o  coração que estava apertado demais no peito já  estava saindo pela boca. O socorro já  estava ali. Mas a sentença parecia estar junto…e eu já  comecei a rezar para que o páreo fosse bom lá  no andar de cima…e no instante que as lágrimas começaram a me aliviar diante do inevitável, percebi um reboliço de mãos e patas até que em “upa” a égua se pôs de pé  e saiu da pista caminhando e tenho a certeza de que se pudesse falar diria: “estão me olhando por que?” Não  me controlei e desarvorada corri para a pista, encontrei o veterinário, que contou que ela parou de respirar e por isso caiu. Com a medicação exata, ela recobrou a função  e aí  foi só  levantar. Felizmente não  tinha machucado na queda. “Não  se preocupe Carol, em 2 dias ela já  está correndo”. O nome da égua? Imagem Oculta! O sinal  e a lição. O que quase ninguém viu, mas aconteceu. 

Imagem Oculta. O sinal de que para quem se entrega com paixão a algo que acredita muito – e os cavalos de corrida são  assim: puro sangue, puro coração, pura entrega – sempre há esperança. Quedas são  parte da vida. Assim como muitas vezes, se a respiração não  pára, o que parece faltar é  o ar. Uma batalha pode estar perdida, mas a vida, nunca! A vitória  da “Dona do Coração” é  certa.

Imagem Oculta. A lição de que nem sempre as coisas são  como parecem ser…mas com certeza são  mágicas! …e que não  ‘tá morto quem peleia!  

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s